SuperBanner

Site Pessoas com Deficiência (PCD)

Lei, Inclusão, Isenção e Vagas

Deficiente físico realiza sonho de ganhar cadeira motorizada

Supervisor de tráfego de empresa de ônibus se comove com situação e inicia campanha para conseguir cadeira

cadeira-de-roda-motorizada

VOLTA REDONDA

“Quando não mais acreditava que um dia poderia deixar de andar com as mãos e joelhos, eis que Deus me manda um anjo”. Com essas palavras o deficiente físico José Antônio Gomes, 55 anos, comemorou a conquista de uma cadeira de rodas motorizada que ganhou depois de muita luta. Com má formação congênita das mãos, pés e joelho, José andava firmando as mãos e joelhos no chão.

O maior sonho de José era conseguir uma cadeira motorizada para se locomover melhor, já que nas cadeiras normais ele ficava impossibilitado de controlá-las. Mesmo com limitações nos braços e pernas, José, que é evangélico, nunca deixou de acreditar que um dia a sua vida seria melhor. E foi em um sábado, dia 4 de julho, que sua história de vida teve o melhor capítulo. Segundo ele, na data estava em casa, na Rua Votorantin, 20, no bairro Vila Rica de Três Poços, quando alguém bateu em sua porta. “Eu posso dizer que naquele momento a minha vida mudou para melhor. Um anjo apareceu em minha vida”, declarou emocionado o portador de deficiência física.

Contou que, ao atender a porta deu de frente com o supervisor de trafego da Viação Elite, João Bosco Ribeiro. Ao ser informado pelo desconhecido que iria ganhar uma cadeira motorizada, José agradeceu, mas não acreditou de primeira, pois garantiu que estava cansado de receber promessas e nunca ninguém cumpriu. “Até meus próprios parentes tentaram arrumar a cadeira motorizada para mim e não conseguiram. Outras muitas pessoas vieram aqui e falaram que iriam me ajudar e nada. Quando o seu João chegou aqui desta vez, confesso que não acreditei. Imaginei que fosse mais um ou até mesmo um político que ia prometer e nada fazer. Mas me enganei. Desta vez se tratava de um anjo mandado por Deus”, destacou José, ressaltando que desta vez foi diferente, pois ficou ansioso para chegar o dia de receber a cadeira.

A CHEGADA DO ANJO

E como João Bosco conheceu José? Disse que certo dia passava pela Avenida Amaral Peixoto, no Cento de Volta Redonda, quando viu algo passar atrás do ônibus. “Vi algo passar e pensei que era um animal. Logo percebi que se tratava de uma pessoa. Daquele dia em diante comecei a procurar informações de José e acabei descobrindo o endereço dele. E foi quando eu senti a necessidade de ajudá-lo. Falei com a minha filha e iniciei uma campanha nas redes sociais e com os amigos para a compra da cadeira de rodas motorizada para ele”, informou, lembrando que, em pouco tempo, as pessoas se comoveram e ajudaram na campanha. Explicou também que, além das doações um programa de rádio o ajudou e, através dele, fez a doação da cadeira a José.

Com essa cadeira, José, que é artesão, poderá viver melhor e vender seus artesanatos com mais facilidade. José confessa que, esperava por esse momento há anos. Disse que, por isso, acredita que João é mesmo um anjo enviado por Deus, já que se não fosse ele, a sua vida não tinha mudado. “Uma cadeira dessa custa mais de dois mil reais. Eu nunca ia ter esse dinheiro para comprar uma”, disse, lembrando que com ela está se locomovendo com dignidade. “Antes, eu descia a minha rua toda se arrastando. Sempre fui motivo de deboche de muitas pessoas. E para atravessar a pista para pegar ônibus era um sacrifício, pois os motoristas, muitas vezes me viam, mas não paravam. Teve uma noite, após retornar da igreja, fiquei de 9 horas até 11h40 esperando os carros passarem para atravessar a pista. Agora, graças a Deus posso fazer isso sem problemas, os carros param”, completou.

José é aluno da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Pinheiral (Apae) onde aprendeu a pintar panos de pratos e quadros. Hoje, ele sobrevive das vendas de seu próprio trabalho. E com a cadeira doada, ele garante que vai poder vender muito mais suas obras. Mesmo com suas limitações, José garante que agradece a Deus todos os dias por estar vivo. “Nasci com essa deficiência e sofri muito por causa disso. Minha infância e adolescência foram de sofrimento. Dos 14 aos 19 anos fiquei trancado em um quarto por vergonha dos meus pais, irmãos e amigos. Um dia um de meus irmãos, já falecido, me levou até a Apae de Barra Mansa para conhecer as dificuldades de outras pessoas. E na ocasião, a deficiência de uma moça me chamou a atenção e a partir daí comecei a viver. Hoje, estou aqui para contar a minha história de vida”.

CONSELHO

José ainda aconselhou as pessoas que são deficientes. “Nunca desistam de seus sonhos. Mesmo com qualquer deficiência, vale a pena viver, pois anjos são mandados por Deus. Olha o que aconteceu comigo. Hoje, João, um desconhecido apareceu para mudar de vez a minha vida. Com pouco tempo de convivência com ele, o considero como um irmão, pai, filho. Por isso, devemos acreditar até o fim”, frisou.

João declarou que, para ele também foi um momento de realização, pois pôde ajudar alguém que realmente necessitava. Lembrou que a solidariedade não para por ai. Ele disse que continua realizando sonhos do artesão. “Estamos realizando agora a adequação da casa de José para que ele viva ainda melhor no seu dia a dia. Estamos mexendo dentro da casa e depois iremos construir uma rampa na entrada do imóvel. Assim ele poderá se locomover melhor. Eu também estou feliz”, concluiu João.

Fonte: avozdacidade.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

um × quatro =