SuperBanner

Site Pessoas com Deficiência (PCD)

Lei, Inclusão, Isenção e Vagas

Projeto reúne mães de filhos com Síndrome de Down em Juiz de Fora

donw

Em Juiz de Fora, um projeto formado por voluntários vai acompanhar, semanalmente, famílias que têm filhos com Síndrome de Down. O objetivo da iniciativa, chamada de “Papo de Mãe”, é estimular mulheres a compartilharem as experiências, além de elevar a autoestima das famílias e promover a socialização das pessoas que têm a doença. Outra meta é estimular ações específicas nas áreas de saúde e educação.

No início, o projeto fará um mapeamento da situação social das famílias com membros que tenham a doença. Após a finalização do diagnóstico, serão iniciadas as ações direcionadas a este público. O “Papo de Mãe” entra em vigor em fevereiro de 2015.

A iniciativa ainda está em fase de planejamento e vai promover encontros semanais no Departamento de Políticas para a Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos. Para o secretário de Desenvolvimento Social, Flávio Cheker, o projeto permite troca de experiências. “A ideia é criarmos mesmo uma rede de informações, para permitir que essas mães tenham acesso a facilitadores, que hoje já existem tanto nas políticas públicas como também nas próprias experiências destas mães”, explica o secretário.

Ser mãe de uma menina com Síndrome de Down nunca foi um problema para a dona de casa Andréia Altomare. Para ela, a filha Maiara é uma como outra qualquer. “Ainda existe muito preconceito e despreparo da sociedade lá fora, tanto no âmbito escolar quanto no social”, disse Andréia, que tem uma profunda ligação com a filha. “Tem hora que até parece que é por telepatia. Ela pode estar no quarto e eu na cozinha, que eu sinto a Maiara. Eu não sei explicar mesmo. É uma coisa de mãe e filha.”

Mãe e voluntária do projeto, Patrícia Médice espera encontrar e oferecer apoio ao grupo. “O foco mesmo do ‘Papo de Mãe’ é trocar ideias. E a partir desta troca é que a gente vai começar a pontuar as necessidades”, afirmou.

A partir das reuniões do grupo, as políticas públicas da cidade no atendimento a este público, poderão ser avaliadas. “O nosso filho apresenta uma dificuldade, mas que a gente pode, juntos, tentar superar e mostrar ao poder público o que queremos, para dar uma melhor qualidade de vida para ele, o que acaba repercutindo para a gente também”, finalizou a voluntária Cylene Siqueira Medrato.

Fonte: G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

onze − oito =