SuperBanner

Site Pessoas com Deficiência (PCD)

Lei, Inclusão, Isenção e Vagas

Pai com paralisia supera separação e 20 cirurgias para criar filho sozinho

ronaldo_com_o_filho_bruno2 (1)

Ronaldo Dias de Aguiar tem 37 anos e nasceu com paralisia infantil. Com deficiência nas duas pernas, ele praticamente não sai de casa, mas tem disposição de sobra para cuidar do filho Bruno, de 6 anos. Para isso ele precisou superar a separação da mulher e várias cirurgias ao longo da vida. Além do cuidado com o filho, o aposentado por invalidez começou a fazer pães caseiros em um pequeno forno em São Manuel (SP).

Há menos de dois meses ele aperfeiçoou o prazer de fazer pães para consumo próprio e, agora, passa o dia todo praticamente na cozinha. A produção ajuda ele a complementar a renda que recebe como aposentado. “Comecei a oferecer para amigos e vizinhos. Além disso, essa ocupação é muito importante para mim, já que fico sozinho o dia todo em casa, e é uma forma de melhorar a minha renda”, afirma.

ronaldo_comendo_pao

Separado da mulher há quase 4 anos, Ronaldo cuida do filho sozinho. “Ele vai para a creche pela manhã e volta para casa no final da tarde. Meu filho é muito inteligente e sempre me ajuda em casa. Também sabe tomar banho sozinho, escovar os dentes. Eu e o Bruno nos damos muito bem”, diz.

A limitação nos movimentos das pernas é amenizada com a utilização de uma prótese. “Minha perna não tem força muscular. Na direita, o grau é bem avançado em relação à esquerda. Então, a pouca musculatura que tinha foi reforçada com as cerca de 20 cirurgias que passei dos 5 aos 16 anos, conta.

Mesmo com a deficiência e com a missão de criar o filho sozinho, Ronaldo diz que é grato pela vida que tem. “O maior presente que recebi na vida foi o meu filho. Quando a gente é pai, na verdade a sua vida já não pertence a você. Tudo o que vem dele é que me faz feliz. A única coisa que sei fazer na vida é cuidar dele. Acho que sou um bom pai. Quero que ele seja meu melhor amigo e eu o dele”, diz.

O filho, Bruno, corresponde a admiração do pai. “Gosto muito do meu pai. Ele que me ajuda e não deixo nada bagunçado”, resume.

ronaldo_no_computador

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

16 − um =