SuperBanner

Site Pessoas com Deficiência (PCD)

Lei, Inclusão, Isenção e Vagas

Atriz deficiente visual revela frustração em viagem à Disney: “não pude tocar em nada”

deficiente-visualViajar para a Disney pode ser um sonho para a maioria das pessoas, mas para a atriz Danieli Haloten, que atuou na novela “Caras & Bocas”, recentemente reprisada no Vale a Pena Ver de Novo, foi uma grande frustração.
Deficiente visual, ela tentou tocar em alguns lugares para saber como era, mas foi impedida pela organização do parque.

“Fico chateada quando viajo e não posso tocar nas coisas. Tentei aproveitar e aproveitei o que pude. Mas é um parque essencialmente visual, então, quem não enxerga perde muita coisa. Não me deixaram nem tocar no castelo da Cinderela pra eu ver como era. Acho que os parques, museus e atrações devem fazer exceção aos deficientes visuais, para que eles possam tocar nas coisas e aproveitar tal qual as pessoas que enxergam. Uma vez, por exemplo, fui a uma exposição de Barbies, e o expositor ergueu todos os vidros para que eu pudesse ver as bonecas com as mãos. E olha que eram muitas. Amei”, lamentou ela em entrevista ao blog de Patrícia Kogut.

Desde que saiu do ar, a curitibana ainda não voltou a atuar em novelas. Atualmente, ela ministra palestras de motivação e inclusão, além de ter lançado o livro “Uma viagem no escuro”, que fala sobre uma viagem que ela fez ao Canadá. A atriz encenou ainda duas peças de teatro.

Solteira, Danieli pretende voltar a investir nos projetos de televisão no futuro.

Fonte: correio24horas.com.br

One thought on “Atriz deficiente visual revela frustração em viagem à Disney: “não pude tocar em nada”

  1. Olá,
    Decepcionada com os Administradores do parque, pois sendo um parque de estímulos visuais, deveria sim ter uma tratativa diferenciada para com o deficiente visual. Tenho uma filha de 5 anos também deficiente visual, e conosco já aconteceu algo semelhante, estava com ela em uma recepção de um grande hospital, onde havia um piano de calda programado para tocar sozinho, e ela ao ouvir a música me perguntou de onde era, e eu disse que era um lindo piano de calda perguntei se ela queria conhece-lo, afinal de contas não encontramos um piano de calda em qualquer lugar, vi ali uma oportunidade de apresenta-lo a minha filha. Quando ela tocou no piano, imediatamente um segurança se aproximou informando que era proibido tocar no piano, explique que ela era deficiente visual, e que a forma dela ver o piano exposto ali, era justamente o tocando, e não adiantou, continuou me repreendendo…….Muito triste, falta de bom senso!!!!!!!Me entristeço com a falta de sensibilidade de alguns profissionais que lidam com pessoas.
    Att,
    Fabiana

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

7 + 7 =