SuperBanner

Site Pessoas com Deficiência (PCD)

Lei, Inclusão, Isenção e Vagas

‘Ela super ativa, não há diferença’, diz homem sobre namorada cadeirante

cadeirante

Moradores de Bauru (SP), Ana Paula de Souza Calixto Bitar e David Toledo Piza, de 31 e 34 anos, estão juntos há 1 ano e 2 meses. Eles chegaram a estudar juntos e se reencontraram após 15 anos. Antes desse reencontro e da decisão de ficarem juntos, eles foram casados, tiveram filhos e se separaram. Aparentemente, uma história comum de muitos casais, se não fosse o fato de quando os dois se reencontraram, Ana Paula tinha sofrido uma queda de uma sacada e não podia mais andar.

O reencontro dos ex-colegas de escola foi em uma igreja. A partir daí, começaram as conversas nas redes sociais, os interesses em comum e de apoio. Após 21 dias, ele, apaixonado, decidiu se declarar em público.
“Eu fui à igreja que ele frequentava e ele falou na frente de todos que a pessoa que ele tinha pedido pra Deus era eu”, conta Ana Paulo. Em cinco dias, eles já estavam namorando e para provar que o amor era sério, David comprou as alianças de noivado.

O que faz que Ana Paula acredite no amor é muito mais do que uma aliança ou as declarações de amor com flores e palavras constantes, mas sim as atitudes do namorado. “Ele faz coisas que nenhuma pessoa fez por mim. Estou muito agradecida por ter encontrado ele na minha vida. Ele me trata de uma forma como nunca fui tratada.”
Para Ana Paula, seu namorado a ajuda a ter mais autoestima e dá a ela a confiança de que o relacionamento pode dar certo, apesar das diferenças. Mas, para David, quem tem ensinado mais a ele é a namorada. “Estou aprendendo a viver com ela. Ela é super ativa, não tem diferença nenhuma de outras pessoas”, diz.

cadeirante-superação

Segundo eles, o amor entre eles supera qualquer barreira. “Quando começavam a namorar comigo achavam que é tudo normal, mas no dia-a-dia as dificuldades acabam afastando. Mas, ele fala que nunca encontrou uma mulher que faz tanta coisa como eu faço, mesmo na cadeira. O David me valoriza muito mais”, diz Ana Paula.

Além do problema de locomoção, o casal também precisar enfrentar os preconceitos. Ana Paula conta que as pessoas estranham o relacionamento dele com uma pessoa que anda na cadeira de rodas, quando poderia namorar alguém considerado normal. “Quando andamos na rua e shopping as pessoas olham, mas acham bonito.”

Enquanto o casal Ana Paula e David passeavam pelo shopping, várias pessoas olhavam e comentavam. Mas a maioria disse ao G1 que o amor dos dois parece muito bonito. Segundo a administradora Márcia Cristina Ferrari “Respeito, amor e carinho supera tudo”. Já Luana Ferrari Pesce afirma que o amor não tem barreiras. “Não temos que reparar a dificuldade de ninguém. É o que a gente sente e pronto.”

Os homens que olhavam também apoiaram o relacionamento e a superação. “O amor supera tudo, a deficiência, dificuldades, quando é amor de verdade, supera”, contou Paulo Renato.

cadeirante-inclusão-social

Fonte: G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

19 − sete =