SuperBanner

Site Pessoas com Deficiência (PCD)

Lei, Inclusão, Isenção e Vagas

Reprovado em concurso, homem do DF tenta provar que não é deficiente

deficiente-auditivo-mercado-de-trabalhoPor pouco o educador físico Rodrigo Cardoso não alcançou o sonho de se tornar policial militar: aprovado nas provas objetiva, discursiva e no teste físico da PMDF, o brasiliense de 31 anos foi reprovado na etapa do exame médico devido a uma perda auditiva no ouvido direito.

Aos 10 anos, Cardoso perdeu 60% da audição após sofrer um acidente em um toboágua. Mesmo usando um aparelho corretivo para o exame da PM, ele foi considerado inapto para ingressar na corporação.

“Em termos legais, sou considerado normal, já que para ser deficiente, precisaria ter perda bilateral. O problema é que, para concursos públicos, não sou considerado nem deficiente, nem normal. Sou praticamente um zero à esquerda”, disse.

Inconformado com o resultado, Cardoso entrou com um recurso administrativo junto à Fundação Universa, que foi negado. Depois, contratou um advogado e recorreu na Justiça, mas teve o pedido indeferido. Nesta quinta-feira (13), mesmo com um documento médico atestando que, dentro de uma média, ele se enquadra no patamar exigido pelo concurso, o juiz rejeitou o recurso.

A Polícia Militar informou que o edital do concurso foi cumprido à risca e que casos adversos são decididos na Justiça e cumpridos rigorosamente pela corporação. O G1 aguarda retorno da Fundação Universa.

“Entrei na Justiça para tentar reverter a situação, pois, mesmo sem o aparelho, nada me impede de ser um excelente profissional dentro da PMDF”, disse. “Nunca me senti limitado para nada. Se não falo que tenho perda auditiva, ninguém percebe.”

Cardoso diz que sempre praticou esportes e teve uma vida saudável e ativa. O sonho de ser policial militar é antigo, mas apenas recentemente resolveu se dedicar com afinco aos estudos e se inscreveu em um cursinho preparatório.
“Ser PM é um sonho, sempre tive essa vontade”, disse. “Nunca almejei um cargo administrativo, nunca quis ser bancário. Para mim, não tem profissão melhor do que um policial. O cara vai para a rua, vai para mostrar serviço, todo o dia é diferente, você passa por situações de “n” formas e eu sempre quis isso pra mim. Também gosto de ajudar os outros.”
O educador físico diz que se sente injustiçado, já que, ao contrário dos candidatos com problemas de vista, sua limitação auditiva o impede de entrar na corporação.

“Minha briga, o que me deixa mais revoltado, é: por que um cara pode entrar com perda de visão em um olho, desde que o outro esteja bom?”, indaga. “Em sua maioria, as pessoas entram na Justiça para provar que a perda auditiva unilateral é, sim, deficiência. Eu tento entrar para mostrar que sou capaz.”

Cardoso disse que vai prestar concurso para a Polícia Legislativa, que não têm restrições quanto à perda auditiva. No entanto, ele afirma que não vai desistir de obter na Justiça uma decisão favorável que permita que ele ingresse na PM.
“Não quero largar mais isso de mão nem a pau, não quero, não posso, quero isso para mim”, disse. “Desde que passei no concurso, comecei a ouvir os toques de corneta da PM. Estou muito maravilhado com a coisa toda e, de repente, me sentindo desiludido.”

Fonte: G1

One thought on “Reprovado em concurso, homem do DF tenta provar que não é deficiente

  1. Minha briga, o que me deixa mais revoltado, é: por que um cara pode entrar com perda de visão em um olho, desde que o outro esteja bom?”, desde quando isso? Estou procurando informações sobre a veracidade dessa informação e não encontrei nada até agora. Sei até do caso de um candidato à agente penitenciário (que não utiliza arma de fogo) e teve que recorrer à justiça após ser barrado no exame médico devido à sua visão monocular (visão com um olho só), imagina para PM? Talvez existam vagas administrativas para essa condição, mas nada que envolva o combate armado. Se alguém tiver alguma fonte formalizada sobre esse assunto e pudesse divulgar aqui ficaria grato, pois tenho visão monocular e gostaria de prestar o concurso para agente/investigador (civil ou federal), mas tenho quase certeza que seria considerado fisicamente inapto em decorrência dessa minha limitação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

1 × 2 =