SuperBanner

Site Pessoas com Deficiência (PCD)

Lei, Inclusão, Isenção e Vagas

Cadeirantes vão participar de blitz educativa de trânsito, no Amapá

cadeirantes

Uma palestra no Museu Sacaca, em Macapá, reuniu nesta quarta-feira (18) representantes de órgãos de segurança e de transportes para dar início a Semana Estadual de Trânsito.

“O trânsito é um problema de saúde pública e precisamos de todos os esforços para diminuir esses indicadores alarmantes”, afirmou o diretor do Departamento Estadual de Trânsito, tenente José Alrivan.

O tema de 2013 é a implantação da Operação Lei Seca no estado, que reforça a conscientização nas madrugadas sobre a responsabilidade de beber e não dirigir. Até o dia 25 de setembro, haverá blitzes educativas, palestras em escolas e instituições, além de uma bicicleta no domingo (22) no bairro Araxá, em referência ao Dia Mundial Sem Carro.

A abertura da programação contou com a palestra do major Marco Andrade, da Polícia Militar do Rio de Janeiro, idealizador da Operação Lei Seca, que ressaltou o efeito do álcool como fator determinante para os altos índices de acidentes e mortes no trânsito.

“Qualquer esforço em conjunto para reduzir as mortes no trânsito é válida. Hoje o Rio de Janeiro é referência em redução de índices de acidentes, mas isso não aconteceu da noite para o dia. O amapaense não pode desanimar no início, senão observar esses números diminuírem. É um processo gradual”, ressaltou o major Andrade.

Uma das formas de conscientização realizadas no Rio de Janeiro e que o Amapá planeja implantar, é contar nas blitzes com a ajuda de cadeirantes vítimas de acidentes de trânsito. Alguns deles vieram relatar experiências no Amapá, como fez Ronaldo Rodrigues, de 31 anos, que ficou paralítico em 2001, após bater em um poste.

“Naquele dia eu estava muito alcoolizado, voltei para casa dirigindo e acabou acontecendo essa fatalidade. E hoje estou nesse projeto junto com mais 33 cadeirantes realizando essa conscientização nas madrugadas cariocas, contando um pouco da nossa experiência, pois as marcas de um acidente podem ficar para a vida toda”, conta Rodrigues.

G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

seis + três =