SuperBanner

Site Pessoas com Deficiência (PCD)

Lei, Inclusão, Isenção e Vagas

Deficientes usam recursos próprios para construir rampa em praça pública

Grupo reclamou da falta de acessibilidade e de mobilização da prefeitura.
Prefeitura informou que há projeto de readequação para praça em Macapá.

013
Deficientes físicos mobilizaram-se para fazer obra de acessibilidade na praça Barão do Rio Branco, no Centro de Macapá (Foto: Reprodução/Rede Amazônica no Amapá)

Deficientes físicos que praticam basquete na praça Barão do Rio Branco, no Centro de Macapá, juntaram-se e pagaram com recursos próprios um profissional para construir uma rampa de acesso à quadra. A obra, que custou R$ 100, foi executada no sábado (26), com a ajuda dos próprios cadeirantes. Eles compraram um saco de cimento, contrataram um pedreiro e receberam doações de areia e seixo.

O grupo de esportistas, representado pela Associação dos Deficientes Físicos do Amapá (Adefap), informou que há três anos solicita à prefeitura a adaptação do espaço. Eles dizem que o pedido nunca foi atendido.

2
Cadeirantes usam quadra para jogar basquete
(Foto: Reprodução/Rede Amazônica no AP)

Segundo a prefeitura, existe um projeto em andamento de revitalização e readequação da praça.
De acordo com o grupo, para entrar na quadra, os deficientes precisavam da ajuda de alguém. A equipe de basquete treina no local há cerca de 2 anos.

“Quando a gente pede acessibilidade, ela não é só para a pessoa com deficiência. Acessibilidade serve para todo mundo, serve para o idoso, serve para a grávida, e serve também para as pessoas com deficiência. A gente precisa ali de, no máximo, um metro. Esse manifesto aqui hoje [sábado] foi para quebrar e, em seguida, recuperar o espaço quebrado”, falou o atleta Rogério Santos.

“Demos prazo para eles [prefeitura]. Avisamos que até sexta-feira [25] se não tivesse feito [o acesso], no sábado não precisava mais, porque a gente viria fazer”, disse o vice-presidente da Adefap, Fernando Oliveira.
A associação informou que contratou um pedreiro para fazer a obra de acessibilidade no espaço público.

“Cada um tem que, primeiro, ajeitar a sua casa. Os órgãos públicos não são acessíveis, e não fazem por onde ser. Eles têm a responsabilidade, a obrigação de tornar acessível principalmente a casa deles. Eles não fazem por onde. Ora, se eles não fazem, vamos fazer no lugar deles”, concluiu Samuel Silva, presidente da Adefap.

3
Associação teria solicitado obra à prefeitura há cerca de 3 anos (Foto: Reprodução/Rede Amazônica no Amapá)

 

 

Fonte: g1.globo.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Imagem CAPTCHA

*